sábado, 10 de setembro de 2016

caderno de exercícios.

Andanças.

Fazia parte de nossa rotina: andar lentamente pela cidade; observar cada uma das janelas e imaginar os diálogos que se passavam ali - Enquanto num apartamento um casal olha a Lua, num só olhar, em outro o silencio empurra para o fim do amor - Quando não nos estirávamos na grama, vendo, por longo tempo, o balé das estrelas no palco infinito do céu.  Isso só poderia ser felicidade. Ainda que ela fosse trazida por uma ou outra substancia. Alias esse cheiro é cocô de cachorro ou minha roupa?  Que nunca deixemos de rir, que a rua seja sempre assim cheia de declives e degraus, que os cães sejam nossos companheiros. O céu que sorri pra nos, também nos acompanha na noitada. Seu halito com ardência de cachaça aumenta meu amor entre as pernas.

A volta.

As dúvidas sobre sua amizade imperam em meus pensamentos. Quantas palavras belas não disseste pra tantos outros, tantos quantos sobem seu endereço, seu gosto, o caminho de pelos da virilha. Em quantas imaginações não figurou até hoje? Eu mesmo agora que te tenho ao lado, ainda não me pertences, sua presença nem está toda aqui. Vadia por quantas historias, quantos lugares, a sua memória? Então também meu deixo-me levar pelos pensamentos: por quantas noites lembrarei dessa; essa brisa, onde vai?; Trago as chaves?

O desejo.

Desejo é a palavra de ordem do organismo humano. É impressionante como nos podemos supor que eles atrapalham a razão, ou que eles podem ser controlados. Na verdade a busca deveria, antes de tudo, ser por compreender o desejo para depois compreender sua doença e sua cura. Um peixe sonha em conhecer as cidades humanas, as florestas... ou seja, tudo aquilo que é exterior ao mar. Entretanto não pode viver fora do seu ambiente. O mesmo acontece conosco em relação ao desejo. Sonhamos com a vida sem a perturbação do desejo, ainda que sem ela a vida não é vida.


A bíblia não-cínica:

...e o homem criou o homem a sua imagem e semelhança, o chamou de filho, da costela de seu filho fez algo quase tão bom chamado mulher... a mulher reclamou que era fraca e menos inteligente, dai o Homem disse, tá bom vou te dar o beneficio da gravidez, terás a honra de gerar a mim mesmo quando eu quiser me fazer carne e ser filho do meu filho.

Xx

Na eventualidade de uma racionalidade,
eventualmente redescobrida,
e a identidade (que nem é novidade)
redefinidax

Demos

Estava pensando que para as sociedades modernas, cuja estamento fica apenas na questão financeira, sobra duas alternativas políticas a democracia capenga ou a ditadura.  E assim é necessário dar um credito aos saudosistas da ditadura, o que eles estão dizendo que é nossa democracia nunca vai deixar de ser isso aí que ora vemos. E a solução não é uma revolução social, essa seria consequência de uma outra revolução, muito mais eficiente: a revolução do pensamento. Ou seja, fugir do conformismo, e do conforto. O vicio no conforto tem atrofiado nossa forma de pensar. Feliz foi o apostolo que tinha um espinho na carne. Encontre o seu.

14 à 80.

Numa pergunta sobre a justiça de Deus, um primeiro responde que sim e o outro diz que não. “Deus não é justo”. O interlocutor interroga por quê.  Ele exemplifica: imagine uma pessoa que aos 14 anos de idade peca contra a vida, passa a vida toda se arrependendo desse pecado do suicídio. Aos 80 morre, Deus tem a prerrogativa de aceitar o arrependimento dessa alma. Se o fizer, iremos louva-lo, mas, se a condenar ainda lhe chamaremos justo?

- - -

Obs. Você pode me dar um espacinho? Então dá um passo pra lá e segue essa rua reto até Plutão.