terça-feira, 12 de junho de 2012

Curitiba, onze de Junho.

Sentado em frente ao cemitério municipal, cansado de andar e cansado de existir, tento não pensar em vingança. Porque acabo de ter recusado o exame de vista do Detram, pois atrasei dez minutos. Estou, sempre fui, refém de uma maquina estatal, corrupta, ineficiente e arbitraria. Meus pés e mãos estão atados pela burocracia dessa maquina. Não posso pensar pensar em vingança porque é mais uma falsa esperança, é desejar o impossivel. O Estado não sente, ele não é. Ele é a ágora usada para fins particulares, e esses particulares são inatingiveis, ou se atingidos são substituidos por outros igualmente vorazes sobre nossa fraquesa e na nossa incapacidade. Perplexo não. não é a palavra pra definir meu sentimento. A passividade desse povo. Eu já os conheço. Estou tentando compreender para me compreender para agir no âmago, no alvo e assim vingar (henri thoreau. o que ele diria?) Se somos um pais de idiotas naõ é dificil comandar, a revolução eficas é a educação…com essas dividas e esse sentimento anotei os diversos pensamentos de uma tarde, cada um diz uma coisa, se alguem coniderar boa ideia os ler saiba que nada disse é A Verdade, apena minha verdade.

1.
- Enquanto a pírula Cristo estiver agindo esse povo não acorda.
- Enquanto tiver micareta, samba, telenovela, também não. Mas voce agride apenas o mais facil: Cristo. É facil atingir alguem crucificado, é facil eleger um culpado e chuta-Lo.
 - O que voce surgere então?
 - Se eu soubesse a resposta não estava conversando com você. Mas vejo que em politica não deve existir religião e nem não-religião.

2.O Detram é demorado, sujo, desorganisado. Esperei por horas para ser atendido por equipamentos ruins e uma moça de luvas, pra não tocar em mim. Mas não consegui renovar a CNH porque meus 10 mim de atraso não foram tolerados. Queria me vingar e ensinar a esse povo também se vingar, queria que o Detram sentisse a dor que eu senti. Mas, de nada adianta, sei que meu maior problema não é o atraso é o dinheiro, perdi 101,79 e o tempo e a dor de mais uma esperança falsa. Me vejo sugado por uma maquina estatal que naõ cessa de atrapalhar os desejos meus e daqueles que sonham. Talvez não porque ela queira mas porque é mal administrada e está na mão de maus-caracter que alem disso tem dinheiro pra compar coreligionarios e ensinar (nas escolas e afins) o valor do “calar é ouro”.

3.Onde foram para os torturadores da ditadura? Desapareceram no meio da multidão ou desmancharam-se no ar? Ainda que o fizessem o sentimento que impuseram por vinte anos no povo não desapareceu, a ordem é ainda um ordem militar. Pensar só é possivel dentro de margens fixas, como estábulos. Não se tolera devergências ainda se busca uma retidão de quaserna nas ruas, nas escolar e no rosto das pessoas. Até a voz e o vocabulário é moldado assim. Se voce um dia já pensou “bandido bom é bandido morto” está bem dentro dos limites do estábulo. Pensar é ir alem disso, se não tiver preguiça é claro, dado a falta de prática…

4.Se lutamos por liberdades individuais é porque sem elas nada se constroi, sem ter direito a minha voz, na tonalidade que eu bem entender  e sobre o assunto que eu quiser, não posso avançar para  a liberdade civil. Desejo a individulalidade porque a civiliade está uma merda. So tenho direito de obedecer, para impostos, seguir normas e de não-fumar. Por isso 3 milhões de pessoas se reunem pra revindicar o direito de dar o cu. Porque o direito à saúde, cultura e segurança é utopico.

5.Aquele que te dá respostas prontas te proíbe (ou quer te proibir) de pensar sobre a pergunta.

6.Estudos pra uma peça: Olá sou Paulo e despreso com maxima sinceridade esse olhar piedoso que me direcionam, se me veem como inválido , pesso que pensem na sua liberdade de pagar impostos, de obedecer leis estupidas de tigar a tv e só ter bbb pra ver, bundas, beatos e bola. Voce pode fujir disso? Ou apenas resignar-se e conviver com tudo isso, como eu, invalido. Tenham dó de vocês mesmos.

7.Criatividade – aquele que inventa palavras mantem preso as linguas, e consequentemente o pensamento de uma epoca. Quando inventaram essa: Criatividade, superaram em tirania o proprio Mao. “ser criativo é dadiva de apenas alguns” diz a moral. “só 1% da humanidade tem o direito de ser criativo”. Ou poderia dizer também: o resto da humanidade deve ser  igualmente mediocres pra não ser ridiculo.

8.Estudos pra uma peça: não seja tolo. Não creia em conspirações, nem pense na possiblidade de meia dúzia de pessoas comandar, sublinarmente, a vida de milhões. Não acredite que nossa imprensa é idiotizante, que nossa musica está a serviço da burrice. Afinal estamos imunes a burrice visto que o poder ( na mão de meia-dúzia)  investe no sistema educacional gratuito.

9.O poder do Estado é economico, não fosse assim ele não seria tão eficiente na arrecadação de impostos. Talvez minha vingança contra o Estado é ser pobre.

10.Para fuder com o estado tenho que conhecer minhas potencialidades. Vejamos, eu não nasci ontem, sou capaz de pensar e de fazer teatro, não tenho grandes prisões ( nem a maior de todas, o amor) não preciso de aplausos e sua opinião não me interessa, porque falta a ela originalidade.

11.A caminho do matadouro a vaca revindica seu direito de ir e vir. Se a concedem ela agradece a Deus, se a negam ele resignada diz “Deus é mais”.

12.Quem rouba do Estado empresta-se a Deus. E ai daqueles que blasfemando dizem faltar escolas, saúde, segurança. Pois é visto à olhos nus que o povo não quer isso, se quisese pedia.

13.Colocavam escravos africanos de diferentes etnias numa mesma sensala pra diminuir a possibilidade de coligação. Essa ferida ainda não cicatrizou, nosso povo não é UM povo, é um aglomerado muito distinto entre si, e quando essas diferenças não bastam os capatazes relembram outras: ele é gay disem aos heteros, ele é neto de racista disem aos negros, ele catolico, ele ex-catolico, ele ateu, rico, sertanejo, garantido ou caprichoso. Assim bailamos cada um na sua musica. E pensamos fazer-lo bem.

14.Bebamos nossa fraquesa – alcool etilico.

15.Um cego passou por Shakespeare. Ele compôs um soneto, porque só Shakespeare é capas de enxergar o que só um cego não vê.

16.Religiosos não gostam de homosexuais porque eles são uma prova irrefutável contra o livre-arbitrio.

17.O mundo é um banheiro publico, aquele que não espressa-se no fedor de suas necessidades o faz com um “quero rola” rabiscado na porta”. Ou os dois.

18.Aquele que a si mesmo impõe um objetivo e o alcança. Venceu o mundo e pode dizer: vim vi e venci.
Aquele que a si mesmo impõe um objetivo e não o alcança, não vence ao mundo mas, supera-se em qualidade e pode dizer vim e vi.
Aquele que naõ tem nenhum objetivo pode dizer não me vi.
Dos três nenhum é superior a outro.pois o mundo é o grande objetivo e aqueles meras partes.

19.Aquele pássaro mesmo preso voa, pois leva com ele a gaiola.
Aquele outro preso ficou a vida toda.
Aquele não vê sua gaiola e canta.
Na natureza nenhum é superior ao outro, pois são pássaros! Se fossem homens o primeiro seria uma mãe, o segundo um homem comum e o terceiro o artista, e seriam todos, novamente, iguais.

20.O pais é do futuro mas o  presente agoniza, sangrando no chão, depois de levar um tiro na cara (dívida de crack) a espera da ambulância, presa no congestionamento.

21.“solo vemos o que comprendemos” Borges. Não posso ver o bebê na cara do velho, mesmo intuindo que ele já o fora porque não posso compreender o tempo abstratamente.

22.As pessoas expressam através de suas roupas o sentimento que ás constrange. Vê quantas usam preto?

23.A necessidade de sobreviver impõe sobre mim o fardo de louvar o Eu.

24.Você é Eu sem dor.

25.Um cena que testemunhei:
O samurai contra o capoerista.
1) o capoerista sai na frente porque, ninguem tinha percebido, tem em si um rigor, apesar da aparencia desleixada.
2) mas o capoerista bebe, por isso enfraquesse.
3) o samurai, esqueceu o zem  e impacienta-se.
4) o capoerista lança um golpe “você está na minha terra”
5) o samurai é globalizado, não abala e sentencia “ vá se foder!”.

26.Minha bizarrice consiste em ter uma parte sobresalente que exige tradução para literatura.

27.Ver de novo já é re-visão (reflexão). Será por isso que hodiernamente louva-se apenas o super-novissimo?

28.Nosso povo tem medo de encontrar a si mesmo numa dessas ruas escuras. Quem não teria? Ver algo branco-preto-amarelo-vermelho, nem alto nem baixo, alegre e triste, sambando à galope, falando dose sotaques numa frase só. Deus me livre!!

29.2012 suprendemos com distenções estanhas como familia x familiaridade. O tempo terá a acepcia de nos esquecer.

30.Num sonho eu era o cordeiro imolado ao deus da ordem e progresso. A direita a chorosa esfinge de minha mãe, à esquerda, a de minha tia cuja existência tem sido uma carpidação. O relógio estava parado no um. Antes, o relogio só tinha um. Se sofria? Nem por um instante. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.