segunda-feira, 9 de abril de 2012

porque não gosto de cinema.

O livro é melhor! – e é claro que o livro sempre vai ser melhor que o filme baseado nele mas, além disso ele é mais econômico, de fácil manuseio, não tem tempo pra ser consumido, é instrutivo e tem até cheiro.
A bexiga – não tem um filme que não põe á prova seu poder de segurar o xixi. Por que os filmes tem que ter 115 mim? Não há liberdade pra historia determinar seu próprio tempo? Vários filmes importante se resolveriam em 40 mim.
A companhia – cinema é lugar pra namorar, pra fazer pose, pra comer. Só não é um lugar de cultura.
Tecnologia – cada vez mais a tecnologia fica em evidencia diante das histórias. Uma arte feita por maquinas pra ser consumida por robôs.
Memória – filmes não ficam na memória, ou talvez duas ou três cenas de cada filme.  E o por que o diretor acha necessário seguir o personagem em trajetos desnecessários? Como exemplo, a hora que o sujeito acorda até ir ao banheiro?  Esse percurso poderia muito bem ficar implícito.
Comida – odeio ver gente comendo na tela, é uma intimidade muito grande.
Falsa memória – depois de assistir á um filme podemos bem passar a querer experimentar a felicidade daquela personagem, esquecendo que aqueles desejos não passam de desejos falsos. E o pior é sonhar com filme, é como ter a subjetividade privatizada pela Warner.
Clichê – a mais de 20 anos não há novidades no cinema. Ou é cinderela ou guerra de tróia.
Montanha russa – odeio sentir minhas emoções em montanha russa e no final ficar num vácuo existencial e sem respostas satisfatórias pra essas emoções.  
o que fica - ninguem fica mais inteligente consumindo entreterimento. A inteligencia não é pra preguiçosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.