terça-feira, 20 de março de 2012

Uma passante, de um passado.

Numa dessas corridas pra segurar a porta do elevador,  passei em frente á sala de espera de um dentista, vizinho de andar. Das varias pessoas que aguardavam, tediosamente, a sua vez, havia um rosto familiar: o da minha primeira namorada, de vinte e poucos anos atrás.
Hoje ela é uma bela jovem senhora, que espera calmamente e bem vestida a sua hora no consultório de dentista. Sala essa que tem como enfeite um arranjo de orquídeas brancas. Nada pode combinar melhor com ela. Limpa, simples e rara, mas que indubitavelmente passou pelo mangue.
Ela não me reconheceria mesmo se tivesse parado pra dar um olá. Penso até, que não gostaria de relembrar-me. Devo ter sido o maior dos seus equívocos: não cumpri o mínimo de um “bom” rapaz, nem lhe falei de “futuro juntos” nem do quando ela era especial, porque não era. Foi apenas, uma linda moça pelo qual tive o desejo de beijar a boca, sentir a pele, andar de mãos dadas e mostrar para os outros. Foi um objeto de minha vaidade que no auge de minha volúpia mostrou-se: era alguém com alma dentro. E o que fazer com quem tem mais que uma bela aparência? Na época eu não saberia como proceder, e hoje tenho certeza que não sei nada desse tipo de gente.
Se ela me visse, não reconheceria, sobrevivente de diversas formas de morte, que não fazem parte do mundo dela, e com problema na hérnia. Seria um absurdo supor que um dia dividimos o mesmo espaço, no mesmo tempo. Seria absurdo, se não fosse verdade.

quarta-feira, 14 de março de 2012

o infinito é inexprimível.
do nada, nada se pode determinar.
mas da sua falta é certo dizer, Dói.

sobra de nuvem que passa
cor da brisa
trajetória de uma borboleta

tudo está presente, e compõe o mundo.
mas a saudade, essa não está...
nem é possível dize-la: "aqui", "em mim".

(ela existe e quando atrevo
descreve-la, foge,
substituída por uma lembrança sua
mesmo aquela ultima, de malas na mão)

ficamos eu e imagem
nesse paraíso, cujo céu e sol
brilham, inutilmente

da falta que é presente
é possível dizer "saudade"?

...

Ensaio do fado do relógio parado

                                               sob WH Auden para Luiz Mott

Cancelem o download!
Quebrem o Dress Code!

parem a produção de Ipad
Hi is Dead!

interrompam o concerto
mi amor es muerto!

gritem no autofalante!
nada é mais importante:

Ele está morto...

...na gaiola padeceu
Liberdade aqui vou eu!

vou a toda, na direção
do gozo fácil no banheirão.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Conformidades

Em conformidade:
Prestes,gerente de vendas, preenche o memorando.
procura, com algum esforço, a palavra que forme a frase, e
que essa seja exatamente justa ao espírito do memorando.
que não seja coloquial, nem requintada ao demasiado. Em se tratando
de memorando não se deve chamar a atenção para o autor, nem
por excesso de zelo nem por falta de. Estamos no tempo da media.
A era da mediocridade. Finalmente encontrou uma palavra, essa que
encaixa-se perfeitamente, como gelo voltando a forminha.

                                                                                                           imag: http://kim-prisu.blogspot.com/
Enamoraram  de tal modo que toda a vida longe do outro era amargura e saudade. Precisavam um do outro fisicamente, e ainda mais emocionalmente. O coração dela expandia ao dobro quando via ele. E o dele quase pulava pela boca quando ela estava chegando. Mas ele conheceu outra que o ganhou numa chupeta-mais-que-perfeita e a vida Dela, sozinha agora era apenas amargura. Moral da história? Você sabe qual né?

...

Preto e nordestino. Era tudo que o pai dela não queria pra genro. “nosso sangue europeu misturando com o desse aí?” Mas era tudo que a fazia gozar loucamente. Por isso fugiu. Dalton ficou muito feliz em tê-la  todos os dias ao seu dispor, só não esperava que o velho deserdasse a moça. Quando soube, ela foi perdendo pouco a pouco o encanto.