sábado, 25 de fevereiro de 2012

Olhando bem...

 

                                                                           para o Ex. Sr. Mário Bortolotto


Estou sozinho mas, com aquela costumeira sensação
de estar sendo vigiado, observado de longe.
Sinto como numa lupa, num monitor.
Me sinto menor.

Nada de “sorria você está sendo filmado”
O que me observa não precisa de aparelhos.
É a derrota.
Serpente fugaz que a anos me observa.
Acompanhada do Fracasso e da Vergonha.

A cada passo tenho a impressão de tê-la mais perto
A Dúvida me mal direciona: ora pra mais perto dela,
Ora longe (gotas de alivio).

O Medo me impede de correr.
Mas, sem ele seria inevitável o ato suicida
de mergulhar no seio da Derrota.

Fugir?não há pra onde.
A única fuga possível é para dentro.
Dentro: solidão e lembranças
Quando me surpreendo com uma voz fraca:

A arte!
Sim a Arte que exilou-se aqui dentro.
Expulsa do Fora pela Vergonha (companheira da Derrota)
E com sua voz fraca incia uma trova mal rimada,
Um arremedo jocoso do Medo,
Uma pantomima peidorrenta da Derrota.

Eu Rio,
Faço careta,
E percebo: a Derrota saiu de fininho,
A vergonha enrubreceu.
E o Medo fugiu. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.