sábado, 1 de outubro de 2011

Nossa senhora do Crack em cacos, rogai pelos nossos poucos atos.


Aos cacos de nossa senhora do crack
- leitura cubista dos miseráveis de V. Hugo –
vê:
Olhos úmidos, castanhos, perdidos, vazios
de um devoto seu, amigo meu, primo dele, filho de….
sem pai, sem primo, sem amigo. A sua mercê.

Aos pés da santa Cruz, nossa senhora
do cachimbo de lata toca com os dedos
sujos, beija com boca de dentes podres
o manto rubro e esgaçado da humanidade
perdida, predrida, pétrida.

N. S. D. Crack, de 2 real, do poço sem fundo
Do canto do mundo. Rogai
Pelos filhos dos filhos de 13 anos.
Pelo tiro na cara da menina.
Pela prisão de ódio do menino.

N. S. do Cachimbo de lata, não custa nada
- ou muito pouco, ou seja tudo –
Um raio, uma vida, uma semana sem banho,
Um nó na garganta….um bom discurso ecumênico.

Não tem solução, Nossa Senhora do Crack em Cacos
rogai pelos fracos, pacos mamelucos malacos
de olhos castanhos nunca tão opacos.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.