quarta-feira, 27 de julho de 2011

O Sereio


Certa manhã, ele acordou e estava transformado.
Assim, naturalmente, sem mágica ou cirurgia, mudou como é natural mudar e
tinha certeza que estava acordado, do contrario seria um sonho.
Acordou e viu-se transformado numa enorme vagina, obvio que não só a
vagina, talvez até tivesse ganho seios, útero, grandes e pequenos lábios etc.
Mas era a vagina que mais chamava a atenção.
Maior que qualquer outra ela começava no umbigo, desfolhava-se em peles-
sobre-peles até sumir por entre as pernas.
Ele nunca tivera duvidas sobre sua identidade sexual, acordar transformado em
mulher era definitivamente uma novidade. Pensou no lado positivo da
mudança: cabelos longos...batons... gravidez.
batidas na porta e já não há pensamentos, apenas o desejo de esconder-se.
Esconder-se por ser mulher.
Novas batidas e já não houve tempo, nem força, pra se esconder. 
O pai abriu a porta e viu.
O pai viu a vagina, grande, na cama. Depois viu que estava no garoto. Estivera
sempre ali? Não soube responder. Riu. Era engraçado, corria tanto atrás
daquilo e de repende, no lugar menos esperado, lá está!. 
Ficou olhando até que ficou ereto.
Abaixou as calças. O garoto iria dizer alguma coisa.
-cala á boca.
Uma dessas se não aproveitasse era viado. 
Subiu na cama. E penetrou. era larga, entretanto quente o suficiente pra
lembrar uma de verdade. 
A cara do garoto encarando, irritava ele  mandou que não olhasse:
-vira pra lá!
Mas não adiantou. Coisa incompreensível é uma vagina, até boa, no corpo dum
piá. Resolveu o problema colocando uma manta na frente. 
Era boa, muito boa, quem diria que o dia começaria assim? Se soubesse
antes, teria até levantando mais cedo. Ejaculou. Tirou a manda da cara do
garoto e disse. 
-fique aí , não vai trabalhar hoje.
Foi trabalhar, mas quem disse?
Essa novidade não lhe saiu da cabeça e como nunca foi de guardar segredo
falou pro Mineiro, seu colega:
-Imagina uma sereia. Agora pense numa de segunda linha.
Minero ficou olhando com cara de quem não tinha entendido nada.
- vamo lá em casa pra você ver.
Foram e o garoto estava jogando na rua. Com um shortes pequeno, e camisa
curta, na fresta aparecia a carne vermelha da vagina, as pernas finas do garoto
tremeram ao ver o pai.
-vem cá, mostra pro minero.
Mostrou. O colega só conseguiu falar:
-Nossa senhora do Cêu!
-por Deus do Céu, minero,não seu que Diabo é isso, mas eu aproveitei e é
bom.
-aproveitou? E o seu pia?
-não disse nada.
Voltaram pro trabalho. Dai foi o mineiro quem não deixou de pensar.
Chamou o Pai do garoto num canto.
-você deixa eu aproveitar disso também?
-quem isso Minero? Tá maluco… 
-você falou que o seu pia não liga.
-100 reais.
-não
-50
Aceito o valor de 50 por ambas as partes, depois do trabalho, o mineiro foi na
casa e na mesma cama transou com aquela vagina, a parte sobressalente: o
garoto, cheirava a suor 
e a poeira da rua.
Dessa vez doeu, bem no meio da barriga do garoto, ele chorou baixinho.
-e aí mineiro? Bom?
-se é, fazia tempo que não comia uma dessas.
Foram todos dormir e na solidão da noite o pai pensava. Iria ofertar a vagina
pra um monte de caboclos do trabalho e da vila, quem não tivesse 50, teria que
fazer uma rapidinha pra pagar só a metade. Mas bom mesmo era oferecer
para os ricaços, qualquer um que visse aquela “bucetona” pagaria o preço que
fosse pra meter ali.
O menino acordou transformado, no lugar da volupuosa vagina apenas um
pênis, com peles no prepúcio e nenhum pêlo.
O pai acorda e vai direto ver, olha e xinga:
-Puta que o pariu! 

Fim
Imagem: http://www.flickr.com/photos/missvulva/4854797854/sizes/z/in/photostream/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.