segunda-feira, 18 de julho de 2011

Não olhe nos olhos do Fantasma.

               
           Nao olhe nos olhos do fantasma
               
              Subindo a Rua da universidade Federal tem um bar, pequeno e pouco freqüentado, porem, com alguns clientes cativos que as quartas-feiras assistem ao show de uma banda, que sempre toca as mesmas musicas e que os habituais clientes cantam o mesmo refrão.
                Fabio e Luiz é um casal de namorados, juntos há cinco anos, mas se conhecem a pelo menos dez, época em que Luiz namorava Claudio, que morreu. Foi a morte de Claudio que aproximou Fabio de Luiz, foi ele consolar o amigo, tomar um vinho... Dar um oi... Uns beijos e Até que declarou-se apaixonado por Luiz, que queria-o só pra si, até mesmo sem o consentimento dos outros amigos que achavam tudo isso rápido demais – o retrato de Claudio ainda estava na parede.Quem lembra-se dessa historia? Ninguém, mas todo mundo sabe que Fabio namora Luiz e que freqüentam o bar as quartas apenas pra rever os velhos amigos.
                Tempos atrás esse mesmo show com as mesmas musicas e os mesmos refrões foi interrompido.Havia um garoto, risonho, pois meio bêbedo, dançando, bem feliz, em frente a banda. Ele cantava algumas letras que conhecia, ensaiava uns passos e bebia ainda mais quando, sorrindo, pedia um “golinho” para outros clientes. Todos davam, só pra ver o garoto mais bêbedo e feliz, até porque ele era bem bonito, magro, com uma camisa xadrez, uma calça jeans, justa e tênis AllStar, tinha um ar indï, cabelos curtos pretos, pele clara, olhar longo, de olhos castanhos, (cor-da-casca-de-um-cavalho-que-nasce-á-beira-dos-lagos-congelados-do-Canada-quando-no-fim-da-tarde-Sol-acrecenta-lhe-um-dourado-especial como havia descrito um admirador do garoto, que não terá espaço nessa história). O garoto gostava de Literatura , de cerveja e desse ar blasé dos intelectuais. Ele viu tudo isso no Luiz. Comprou um Long Neck e foi até onde o Luiz estava, ao lado de Fabio, mas o garoto não supunha que fossem namorados.
                - Ei,comprei essa cerveja pra você, porque te acho muito gato.
                Luiz sorriu Fabio não.
                Quanta ousadia pensou Fabio, será que esses pias pensam que todos aqui são sem-vergonha como ele? Pegou a garrafa de cerveja das mãos de Luiz e foi atrás do garoto que voltava pra frente da banda.
                -Volta aqui!
                O garoto olhou e Fabio deu uma garrafada bem no topo da cabeça do garoto.
                A garrafa era verde e o sangue bem vermelho. As pessoas gritaram e Fabio fugiu.Nesse ínterim a banda parou de tocar.
                Luiz correu e socorreu o garoto, levou-o no seu carro até o Hospital, lá eles se conheceram melhor... Ligaram-se, depois, algumas vezes “pra saber se estava tudo bem” e agora Luiz namora com o garoto e não fala mais com Fabio que se tornou um bêbado e vaga pelas noites da cidade. Se encontrá-lo nunca olhe nos olhos do fantasma que ele trás sempre consigo, o fantasma é dele, só dele.
                fim

2 comentários:

  1. Olá Sr. Marcio, adivinha quem é?

    Ainda não li o texto, mas dei uma olhada no blog todo, curti tah massa! O negócio é postar quase todo dia!! E tb utilizar bastante as mídias sociais pra divulgar o blog.
    Bjs ;-)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.